segunda-feira, 14 de maio de 2007

Considerações sobre a atual e futura busologia


"Antes de tudo gostaria de esclarecer que este é um artigo de cunho pessoal que visa expor (e porque não, discutir) uma visão baseada em experiências sobre este importante hobby em ascensão no país. Dedico-o ao amigo Christian Teixeira, que em breve representará os ideais desta entidade na primeira convenção oficial relacionada ao tema, que sem dúvida alguma, tem como principal objetivo analisar estas e outras questões relevantes.


Foco de análise


A busologia vive hoje um momento ímpar. Aparecimento de novos admiradores, formação de grupos e/ou clubes de amigos, proliferação de inúmeros blogs e eventos relativos ao assunto. São diversas correntes, que pretendo tratar em três tópicos distintos de forma simples e direta: A internet e a busologia; Os grupos e suas ações; O que esperar para o futuro.



Bruno Freitas, editor do DiárioAMIBUS"



1. A internet e a busologia


Os mais antigos contam que a busologia já foi um hobby isolado, onde os admiradores trocavam fotografias pelo correio ou, ocasionalmente se encontravam em rodoviárias. Hoje isso é bem diferente.

A partir da segunda metade da década de 90 o desenvolvimento da internet quebrou as barreiras de distância e interconectou a todos. Como em qualquer hobby ou assunto onde há muitas opiniões e ideologias, obviamente, tal constatação trouxe resultados positivos e negativos.

As características positivas são: troca de informação precisa e ágil em listas de discussão, programas de conversação como MSN e comentários nos sites, blogs e fotopages. Assim como o acesso e incentivo à novo admiradores do hobby, que também incluem profissionais ligados ao setor de transporte, seja no Brasil ou em outros países.

Os fatores negativos são as constantes discussões ideológicas, que fragmentam o hobby em pensamentos distintos, que envolvem relações pessoais e, sobretudo respeito. Também é ruim presenciar uma suposta concorrência entre colegas sobre a divulgação de fotos e informações. Como diz um sábio e cordial amigo, “busologia não é empresa, mas sim um hobby”.

Se por um lado a internet construiu um hobby segmentado em forte informação, separa as pessoas a longo prazo. Isso é ruim, principalmente se notarmos a formação de grupos que buscam apenas expor orgulho próprio e o ideal de concorrência. Se fulano ou cicrano não se dão bem hoje, o melhor é cada um fazer o seu trabalho quieto, no seu canto, de maneira ética. E o mais importante: respeitando e valorizando suas características próprias, sem procurar copiar o outro. Tenho certeza de que se o busólogo respeitar o colega, no futuro poderemos dar boas risadas de episódios negativos. O tempo cura as feridas.


Para ler o próximo tópico do artigo, clique em um dos links abaixo, à direita.

Um comentário:

Viajante Doria disse...

Concordo com esse ponto de vista. Devemos deixar de lado problemas pessoais e desentendimentos com A ou B em prol desse hobby. Sou contra qualquer bairrismo ou preconceito com relação a busologia. O que interessa é que o nosso querido e amado hobby seja engrandecido e admirado de forma respeitosa,ética e transparente!